Seminário Internacional "O (Re)verso da Paisagem - Filosofias da Pobreza e da Riqueza"

nova pagina
Outubro 2012
2020
APRESENTAÇÃO

Toda a Paisagem, qualquer que esta seja, implica sempre um verso e um reverso. Por verso entenderemos aquilo que se vê, enquanto que por reverso, aquilo que se não vê… sempre, claro, de um determinado ponto de vista. Poder-se-á considerar que existe uma relação dialéctica entre verso e reverso como entre ricos e pobres? Talvez, mas o que é certo, e eventualmente importante, é que as duas faces da Paisagem só são conceptualizáveis quando se apresentam em oposição. E pontos de vista diferentes darão azo a vivências também diferentes.

É que a Paisagem, enquanto construção cultural, situada no espaço e no tempo, corresponde sempre a uma certa expectativa de quem a vê. A essa expectativa não são estranhos, claro, os juízos económicos que percorrem um vasto campo de significação que vai da função à beleza.

Mas Paisagem, na condição de algo construído, implicará sempre a existência de um seu reverso, como uma peça de roupa ou o cenário de um teatro implicam, respectivamente, um forro e uns bastidores. Dever-se-á isso ao facto de, à semelhança de qualquer dispositivo espacial de representação, a percepção da Paisagem, como tal, só ser possível com o concurso de uma ilusão… por vezes sustentada materialmente? A esta pergunta pode juntar-se outra. Que representa a Paisagem? Ou, mais concretamente, onde vai esta pedir emprestado o seu sentido?

É verdade que dispomos de respostas simplificadas quando evocamos o nosso reportório de conceitos ambientais, as nossas experiências poéticas culturalmente codificadas ou o mito. Em qualquer caso, algo se desenvolve aqui como um processo sempre dinâmico.

E, de facto, é a partir do seu reverso que o, por assim dizer, mecanismo da Paisagem funciona. Aquilo que é necessário preservar, manter ou recuperar exige o emprego de determinados meios e/ou a mobilização de competências e, muitas vezes, da consciência do próprio público. Por isso mesmo, não existe, em rigor, Paisagem absolutamente natural. A presença do Homem, imprescindível ao reconhecimento da sua existência, vem perturbar-lhe a solidão. Estranhamente, toda a potência comunicativa da Paisagem assenta aí.

Nos últimos cinco séculos ensinaram-nos a olhar para a Paisagem de modos específicos, familiarizando-nos com o seu verso. Conseguiremos, agora, numa tentativa de elementar Pedagogia, apreciar o seu reverso? Até porque, pelo verso e pelo reverso, a Paisagem é algo que merece a todos os títulos ser reconceptualizado.

TEMAS

1. A Natureza do Turismo
(motivações, mecânica, actividades correlacionadas, consequências e cultura do Turismo da “Natureza”)

2. Estéticas do Poder
(dimensão estética da arquitectura e do urbanismo como expressão de uma ordem instituída)

3. Magical Mistery Tours: tematizações do espaço urbano
(a cidade como equivalente do parque temática)

4. Paisagem Desprotegida
(o devir incerto da ordem “natural”)

5. Filosofias da Sobrevivência
(as doutrinas e os métodos de manutenção de modos de vida nos espaços sustentáveis)

6. Arte e Lixo: a forma das coisas
(o bom e o mau destino das obras humanas)

DESTINATÁRIOS
Docentes universitários, investigadores, alunos e profissionais na área da Arquitectura, Arquitectura Paisagista, Filosofia, Ambiente e Urbanismo, entre outros.

LOCAL
Instituto Superior de Agronomia - Universidade Técnica de Lisboa

CALENDÁRIO

21 de Setembro
Data limite para a recepção dos Resumos  Expandidos

5 de Outubro
Divulgação do parecer da Comissão Cientifíca sobre a aceitação dos resumos expandidos

22 de Outubro
Realização do Seminário Internacional "O (Re)verso da Paisagem - Filosofias da Pobreza e da Riqueza"

Dezembro
Publicação de Artigos pelo CIAUD

Normas para submissão dos resumos expandidos:
Documento Word (.doc), A4, letra Arial 10 e até 3500 caracteres (incluindo espaços);
- Língua: português, castelhano, inglês ou francês.
Todos os resumos devem constar de duas páginas:
 1ª página – título, tema e nomes dos autores (incluindo instituição e país de origem);
2ª página – título, tema, 5 palavras chave e texto do resumo.

Download do template para a submissão do resumo expandido aqui

nota: enviar resumo expandido para:
arquitectura.mar.fa@gmail.com


Normas para a submissão dos trabalhos finais:

Documento Word (.doc), A5, letra Arial 9, alinhamento justificado;
- Espaçamento antes e depois dos parágrafos 6pt e entre alinhas “simples”.
- Recuo das margens superior e inferior de 2 cm, direita e esquerda 1,5 cm;
- Língua: português, castelhano, inglês ou francês.

Todos os artigos devem constar de duas páginas:
1ª página – título, tema e autores (incluindo instituição e país), resumo e 5 palavras-chave;
- O resumo não poderá exceder as 200 palavras.

2ª página – título, tema, 5 palavras chave e texto do artigo;
- O artigo poderá ter, no máximo, 3000 palavras (incluindo resumo) e 6 imagens;
- O título a negrito, Arial 11, alinhado à direita;
- Os títulos de capítulos (se existirem) a negrito, Arial 9, justificados, e se necessário numerados;
- Os títulos de sub-capítulos (se existirem) em itálico;
- As imagens (preto e branco, JPEG ou TIFF e de 300 dpi) inseridas ao longo e de acordo com o texto, legendadas (Arial 7) e numeradas com a designação fig. x, identificadas as fontes;
- As notas de rodapé em Arial 7.

nota: enviar trabalho final para:
arquitectura.mar.fa@gmail.com

INSCRIÇÃO
30€ (25€ para estudantes)

Os valores indicados aplicam-se a cada participante.

Os pagamentos serão feitos por transferência bancária, da seguinte forma:
 
Para pagamentos feitos do estrangeiro
IBAN: PT50 0035 0620 00000657630 34
SWIFT: CGDIPTPL
Pagamento a: Academia de Escolas de Arquitectura e Urbanismo de Língua Portuguesa
 
Para pagamentos feitos de Portugal
NIB: 0035 0620 00000657630 34
 
nota: enviar comprovativo de pagamento com identificação e endereço juntamente com a ficha de inscrição para:
arquitectura.mar.fa@gmail.com

COMISSÃO CIENTÍFICA
A divulgar oportunamente

COMISSÃO ORGANIZADORA

Centro de Investigação em Arquitectura, Urbanismo e Design (CIAUD-FA-UTL)

Academia de Escolas de Arquitectura e Urbanismo de Língua Portuguesa (AEAULP)

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Caldeira Cabral (CEAP-ISA-UTL)

Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa (CF-UL)